30 de Março


Jornal TV Br 11 99923-2580

Cavado no deserto: uma história do Canal de Suez

Inaugurado em 1869, o Canal do Suez não representa apenas uma grande obra da engenharia moderna. A hidrovia egípcia foi palco de guerras imperialistas, de levantes nacionalistas e produziu consequências nem sempre visíveis, que vão desde a área ambiental até questões de mobilidade humana.

Localizado no Egito, o Canal de Suez é uma hidrovia artificial de aproximadamente 193 quilômetros de extensão que liga o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho. Todos os dias dezenas de embarcações de todos os tipos, bandeiras e tamanhos passam pelo canal a fim de economizar tempo e dinheiro. O cálculo é simples: antes da abertura do Canal, em 1869, os navegadores que desejassem viajar entre a Europa e a Ásia Meridional tinham que navegar em torno à África, contornando o Cabo da Boa Esperança, um caminho conhecido, mas longo e dispendioso. O Canal do Suez encurta essa distância em 7 mil quilômetros, e por isso é uma das vias navegáveis mais importantes do mundo.

Na ponta norte do canal está Porto Said, com duas saídas para o mar; no lado sul está a cidade de Suez, onde há uma saída para o mar e três portos: Adabya, Ain Sokhna e Port Tawfiq. Ismaília está em sua margem ocidental, a 3 km a partir da metade do canal.

O canal é muito utilizado desde o século XIX para transportar o petróleo extraído do Oriente Médio, mas todo tipo de produto passa atualmente por ele: celulose, café, grãos, peças automotivas, minério, carvão, sementes, fertilizantes, tanques, metais e todo tipo de carga seca. Calcula-se que 12% do comércio global passe pelo Suez.

O surgimento do canal

Desde a antiguidade, são frequentes os projetos que visam criar novas rotas de navegação na região. Um desses projetos foi posto em prática ainda na Antiguidade: o Canal dos Faraós, também conhecido como Canal de Neco. Este canal ligou o Rio Nilo ao Mar Vermelho por intermédio do rio Uadi Tumilate. Historiadores especulam que o projeto tenha começado ainda na época do Antigo Egito, possivelmente na gestão do faraó Neco II, mas que só foi realmente concluído no período Ptolemaico, sob o governo de Ptolomeu II, por volta do século III antes de Cristo.

De acordo com Ishaan Tharoor, vários outros projetos surgiram no decorrer das Idades Média e Moderna. Governos árabes e comerciantes venezianos, além de otomanos, tentaram empreender novos canais na região, mas nenhum foi muito bem sucedido. Napoleão também teve planos ousados para a região. Foi ele, na verdade, quem renovou a ideia de construir um canal marítimo no local. Em 1798, após invadir o Egito, o mítico general francês tornou pública a sua intenção de construir uma passagem rápida para a Índia. Tharoor explica que Napoleão chegou a enviar topógrafos para mapear o possível curso de um canal ligando o Mar Mediterrâneo ao Vermelho, mas esses especialistas teriam errado na medição das terras, detectando um falso desnível que poderia provocar uma catastrófica inundação do Nilo. Assim, a ideia foi temporariamente abandonada.

Por volta de meados do século XIX, a construção de um canal ligando a Ásia à Europa começou a ser seriamente discutida, e a faixa de terra egípcia onde está hoje o Suez foi mais uma vez apontada como a mais propícia. Era uma faixa não muito longa e com solo arenoso, quase todo plano e sem grandes obstáculos físicos, como morros e pântanos. Certamente seriam necessários muitos recursos, mas a obra parecia possível.

A urgência na construção de um canal ligando o Mar Mediterrâneo ao Mar Vermelho foi consequência do surgimento de um verdadeiro comércio global. Esse crescimento comercial entre as nações estava intimamente associado aos primeiros conglomerados multinacionais e, claro, à Segunda Revolução Industrial e ao novo colonialismo. Era preciso escoar a produção industrial europeia sem passar pela África. Se isso pudesse ser feito rapidamente, ainda melhor. O novo capitalismo não poderia esperar muito.

Ferdinand de Lesseps, engenheiro francês e diplomata. Foto: Royal Museums.

As obras começaram em 1859 e ficaram a cargo da Companhia Universal Marítima do Canal de Suez, fundada pelo engenheiro e diplomata francês Ferdinand de Lesseps em 1858. Lesseps já conhecia bem o Egito. Em 1832, ele foi nomeado vice-cônsul da França em Alexandria. Durante sua estadia no país, ele entrou em contato com a questão histórica do Suez e passou a estudar a implementação de um canal na região.

Lesseps conseguiu financiamento do governo francês e a permissão do vice-reinado otomano no Egito para avançar na obra. Segundo explica Christopher Danziger, cerca de 400.000 ações da Companhia Universal Marítima do Canal de Suez estavam nas mãos da França. Outra parte, correspondente a um quarto das ações, foi comprada pelo líder do Egito, o Quediva Ismail, e uma parte ainda menor foi comprada pela Áustria e pela Rússia. Os britânicos não participaram do negócio e viam a construção com preocupação. Acreditavam que o Canal era uma ameaça ao seu poder nos mares.

Durante dez anos, aquela pequena, árida e pouco povoada região do Egito se tornou o maior canteiro de obras do mundo. Segundo os historiadores William B. Fisher e Charles Gordon Smith, a construção envolveu a escavação e a dragagem de 74 milhões de metros cúbicos de sedimentos. Usando o que havia de mais avançado para a época em termos de tecnologia, o canal foi inaugurado em 17 de novembro de 1869.

Embora servisse para escoar a mercadoria da Europa industrializada, o Canal do Suez tornou-se ele próprio um dos maiores símbolos do avanço industrial do ocidente e, por extensão, da violenta força colonialista europeia. Segundo apontam alguns relatos, mais de 1 milhão de trabalhadores egípcios foram contratados para participar das obras do Canal de Suez, dos quais cerca 130.000 podem ter morrido, não só em decorrência de acidentes, mas principalmente de doenças, tais como catapora, cólera, hepatite, desinteira e tuberculose. As condições de trabalho eram péssimas. Conforme explica Zachary Karabell, o Canal do Suez tornou-se uma desculpa para a expansão do poder imperial e, ao mesmo tempo, uma causa deste mesmo poder.

A crise de 1882

Em 1875, Ismail estava em apuros. O líder do Egito havia adquirido dívidas astronômicas e precisava fazer dinheiro para acalmar os seus credores. A solução foi vender as suas ações do Canal de Suez aos britânicos. De acordo com Danziger, embora os britânicos vissem o Canal com grande preocupação, foram eles, ironicamente, os que mais o usaram nos primeiros anos de funcionamento. “Em seus primeiros dez anos, 80% de todo o tráfego que passou pelo canal foi britânico. A ligação que o canal estabelecia com a Índia se tornara importante demais para que outro país o controlasse”.

Em pouco tempo, a presença dos britânicos na região aumentou e culminaria em um levante nacionalista egípcio. O que aconteceu, em síntese, foi o seguinte. Mesmo com a venda das ações para o Governo Britânico, Ismail não conseguiu saldar suas dívidas e acabou sendo substituído pelo seu filho, Tewfik, que tutelado por franceses e ingleses, desagradou a setores nacionalistas egípcios. Em junho de 1882, Ahmed Arabi, um militar de 40 anos de idade descontente com o Imperialismo europeu e com a autoridade do Quedivato organizou uma revolta nacionalista, conhecida entre os historiadores como a “Guerra anglo-egípcia de 1882”. Arabi chegou a tomar o controle do Canal de Suez, mas apesar da valentia dos nacionalistas sob o seu comando, o poder militar britânico acabou se sobrepondo. Alexandria foi bombardeada e em setembro daquele ano as forças nacionalistas lideradas por Arabi foram derrotadas.


Em pesquisa mais recente, publicada em livro, em 2013, a pesquisadora Valeska Huber analisou o impacto do Canal do Suez do ponto de vista das migrações humanas. Em geral, pensamos o Canal apenas como uma porta de escoamento de produtos manufaturados, mas Huber destaca que por ali, ao longo de mais de 150 anos, passaram muitas pessoas. O Canal de Suez é visto pela pesquisadora como um ponto nodal e eixo central de várias formas de mobilidade humana, e que estudar aquela localidade é uma forma de estudar um período da história da globalização. “Após a sua inauguração, em 1869, o Canal se tornou uma via de transporte não apenas de informações e bens, mas também de pessoas e suas ideias”, afirma Huber em seu livro.

Mais do que engenharia

Mais do que uma grande obra de engenharia, o Canal de Suez é um marco para a compreensão de guerras, do fenômeno nacionalista e do colonialismo agressivo que penalizou diversas regiões da Ásia e da África ao longo dos séculos XIX e XX. Permite ainda analisar a história ambiental da região, fluxos migratórios e a economia global.

Quando o Canal foi inaugurado, o poeta norte-americano Walt Whitman (1819-1892), encantado pela novidade, escreveu seu poema A Passage to India: “Um culto novo que canto / Vocês, capitães, viajantes, exploradores, seus / Vocês, engenheiros, arquitetos / maquinistas, seus / Você, não apenas para comércio ou transporte /Mas em nome de Deus, e por tua causa, ó alma”. Tanto tempo depois, o Canal ainda dá o que falar.

Fonte Website: https://www.cafehistoria.com.br/

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bandeira-brasil.webp
WEBSITE DO BRASIL 11 99923-2580 SP Servi
1REDE.com.br 11 99923-2580 SP Reizinho.j